Entrevista com Nikki Reed :Falando sobre Vida e Trabalho!

30/08/2010 07:45

 

Nikki Reed é sempre muito simpática em suas entrevistas, e nessa não foi diferente. Ela parecia muito descontraída e contou um pouco sobre como era sua vida com sua família, sua infância, e de onde surgiu a idéia para o filme Aos Treze, e sobre sua personagem no novo filme The Last Day of Summer, onde ela interpreta ao lado de seu grande amigo DJ Qualls. Leaim, pois vale à pena =D

Image and video hosting by TinyPicAlgumas vezes, você não olha para uma garota bonita que tenha um cabelo perfeitamente brilhante, pele perfeita e maravilhosos olhos cintilantes e simplesmente quer bater nela? É meio como nos sentimos sobre Nikki Reed — até falarmos com ela. Mesmo depois de cerca de uma década em Hollywood, essa garota ainda tem os pés totalmente no chão, e é como qualquer um de nós.

Nikki, a quem você provavelmente conhece por Thirteen e Twilight. agora está estrelando nesse novo filme intenso, The Last Day of Summer, que sai em Setembro. Ela alega que ela não é “intimidantemente bonita,” que os caras “não tentam chegar em mim,” e que ela não é confiante e normalmente fica “desconfortável.” Oh, claro. Enquanto não não podemos dizer que acreditamos nela, nós podemos dizer que nós entendemos.

Nós batemos um papo com provávelmente a estrela mais humilde por aí, sobre passar por um trecho difícil como adolescente, sobre por que a turma popular algumas vezes é a turma errada, e porque está totalmente tudo bem em se festejar.

Então, nós ouvimos que DJ Qualls (seu colega de elenco) te escolheu a dedo para interpretar Stefanie?

DJ e eu temos sido melhores amigos por eu nem sei quanto tempo… desde que eu era criança! Ele na verdade foi abordado com o script antes de mim e eles o perguntaram quem ele pensou que poderia interpretar Stefanie e ele disse eu.

Que ótimo amigo! O filme é muito intenso. Você aceitou fazê-lo de cara?

Houve um pouco de resistência de início porque eu meio que carrego por aí essa estranha falsa imagem de que eu só posso interpretar a garota gostosa ou intimidamente bonita, o que é simplesmente muito estranho porque eu não sou intimidamente bonita. Eu acho que quando você interpreta esses personagens, as pessoas começam a te ver dessa forma. Então eu fui e me encontrei com eles e eles estavam tipo, “Oh, ela não é tão bonita. Nós podemos dar esse papel para ela.”

Ok, Nikki. Você só está sendo humilde.

(Risos). Eu pensei que seria simplesmente uma situação tranquila porque DJ e eu éramos muito próximos, mas foi muito interessante ver o quão pesado isso se tornou por causa da natureza do projeto e por causa do pouco tempo que tivemos (para filmar).

 

Mas você é linda! Você deve ter um monte de caras mandando cantadas para tentar se dar bem com você!

Não sei, os homens não tentam me cantar. Eu não sei o que é! Eu acho que eu devo mandar a uma vibe tipo “fique longe de mim.” Eu também sou uma pessoa muito desconfortável e talvez seja porque eu interpreto personagens tão confiantes, confortáveis que todo mundo acha que eu sou. Mas eu não sou realmente. Os homens não vêm até mim.

Ok, então o que você diz se/quando eles fazem isso?

Se eles chegam, eu sou péssima em dar continuidade à conversas. Se alguém diz tipo, “Hey, como vai?” Eu digo, “bem.” E então eu saio andando. Não é porque eu estou tentando ser má. É porque eu sou muito desconfortável.

Você interpretou muitos personagens sombrios, ansiosos no passado, especialmente em Aos Treze.

É. É muito importante para mim sempre tentar encontrar algo interessante sobre qualquer personagem em termos de, de onde eles vieram e como era a vida de suas famílias.

Falando sobre vida familiar, a sua era bem doida quando você era adolescente, certo?

Eu definitivamente passei por um trecho difícil, mas eu não era nem de perto tão destrutíva quanto minha personagem em Aos Treze. Eu penso em mim, crescendo rápido e vivendo por conta própria, o que certamente não é pra todo mundo, me forçando a crescer e ser responsável. Eu não tive a oportunidade de sair e festejar como muitas das garotas em Hollywood que viveram em casa com a mamãe e o papai.

O que você quer dizer com crescer rápido?

Eu tinha que pagar contas. Eu tinha que me apoiar. Minha família não tinha muito dinheiro, então eu tive que ser adulta para eles também.

Olhando para trás, que aviso você teria se dado quando você estava passando por tudo isso?

Eu queria saber que eu não era a única, que é muito difícil para todos. É simplesmente difícil ser uma adolescente, por qualquer razão. É tudo muito íntimo, muito emocional, e eu acho que poderia ser uma coisa hormonal, mas tudo é esmagador e muito grande para até mesmo tentar dissecar e lidar com isso. Mas eu queria ter algo que me fizesse me sentir como um indivíduo.

O que você quer dizer?

Eu queria ter uma habilidade. Colegial é tudo sobre tentar descobrir quem você é, e quando você não tem nada para se segurar, você só meio que oscila e entra em qualquer turma que você ache que é certa. Mas você não tem nenhuma confiança porque você não tem nenhuma habilidade. Eu me lembro que quando me senti melhor foi quando eu fiz ginástica, porque não importava o que, eu era uma ginasta.

Então você vai fazer seus filhos serem ginastas?

(Risos). Quando eu tiver filhos, desde pequenos eu vou colocá-los em aulas de música ou dança, ou algo que faça deles únicos e que os faça ter uma coisa própria. Meu irmão jogava futebol e esse era o negócio dele.

O personagem de DJ, Joe, lida com muito bullying, e literalmente muita encheção nesse filme. Você um dia já foi vítima de bulling?

Eu nunca fui forçada a limpar cocô, exceto o do meu cachorro, Sidney, (risos) mas eu fui atormentada na escola até a sétima ou oitava série. E foi por isso que Aos Treze foi criado. Eu caí na turma errada; a turma popular. Eu queria tanto me encaixar porque eu fui muito atormentada quando criança. Eu me sentia como uma perdedora.

É, todo mundo meio que passa por isso em algum ponto.

Definitivamente. Mas nós não tínhamos muito dinheiro, e minha mãe costumava fazer todas as minhas roupas, e era tão embaraçoso, e eu sempre usava as roupas que eram dos meus irmãos, e isso só foi legal por um tempo. E eu me sentia como uma nerd. Eu usava óculos e meus dentes eram enormes. Nós só podíamos bancar um de nós usando aparelho,  e meu irmão, por ser mais velho, usou e eu não.

Sem chances! Nós não acreditamos em você! Seu sorriso é maravilhoso!

Eu sei, é engraçado! Eu na verdade tenho dentes ótimos e muito certos hoje, mas o tempo todo foi devastador e tudo o que eu queria era usar aparelho. Eu ainda tenho uma mordida errada, mas meus dentes mudaram um pouco pro lugar certo.

Ok, deixando de lado a coisa do aparelho, que aviso você daria à garotas que também sentem como se não conseguissem se encaixar?

Eu acho que é importante para as pessoas viver as coisas. Eu não gosto quando um aviso é dado e simplesmente se torna irreal, tipo, “Oh, só diga a verdade à si mesmo e nunca se junte à turma legal.” Então simplesmente experimente tudo, mas até um limite. Ligeiramente. Veja coisas e faça coisas, mas não se perca e nãose esqueça de quem você é no processo porque é realmente muito pequeno no grande esquema das coisas.

Tão verdade. Obrigada pela lembrança! Nós precisávamos disso!

É! Mesmo agora aos 22 anos, eu só estou começando a pegar o conceito de que há tanto à minha frente. Realmente se torna mais sobre sua família e sobre sua vida, então simplesmente faça as escolhas certas e se cuide. Se você quer festejar e essas coisas, e se você sente que deve fazer isso, então tente se dar bem na escola também para que você possa chegar à algum lugar.

Algumas coisas sobre ser uma garota são uma droga, como você disse, tipo, tentar se encaixar. Mas qual é a sua parte favorita em ser uma garota?

Oh, definitivamente toda a diversão, coisas incríveis que nós fazemos com acessórios e essas coisas. Eu acho que nós nos tornamos muito mais colorias e brincalhonas na vida com o estilo e com acessórios (do que com caras).

E a menos favorita?

Nós ainda vivemos em um tempo onde infelizmente as mulheres são vistas de forma diferente dos homens… Nós pregamos sobre igualdade o tempo todo, e eu simplesmente não sinto como se isso já fosse realidade. Então já momentos onde eu desejaria ser um homem, porque há coisas que os homens fazem. Ou eles nem fazem, a forma como eles são vistos que eu invejo.

Fonte: Gurl via NikkiReedFan


 

Voltar

Pesquisar no site

© 2010 Todos os direitos reservados.